Como a Escritura Sagrada começou a ser levada a todos os povos tribos e nações?

A SEPTUAGINTA O Periodo Ptolomaico Grego (333-200 a.c)

Para o povo judeu que retornou a terra de seus ancestrais, o hebraico continuou a ser língua sagrada, falada pelos lideres religiosos e escrita nas Escrituras. Contudo, apenas cerca de 10% retornaram depois do cativeiro na Babilônia; a maioria permaneceu nas terras da dispersão.

Duzentos anos mais tarde, uma comunidade de judeus no Egito havia crescido o suficiente para atrair a atenção do rei Ptolomeu II, um dos quatro sucessores do vasto império de Alexandre, o Grande. Uma vez que o grego havia se tornado a língua unificadora de todo o império, Ptolomeu quis uma copia da Tora judaica em grego, sua própria língua, para sua biblioteca.

A antiga Carta de Aristea registra como essa tradução foi produzida. 0 rei Ptolomeu II pediu aos judeus na Judéia que enviassem 72 tradutores ao Egito, seis de cada uma das doze tribos. Afirma-se que esses homens traduziram os Cinco Livros de Moises em 72 dias. O numero arredondado para 70 tornou-se o nome dessa tradução – Septuaginta, em latim (também escrito
LXX). Pelos proximos 150 anos, todas as Escrituras hebraicas foram traduzidas para o grego e incluídas na Septuaginta.

A Septuaginta foi extremamente importante para as comunidades judaicas de fala grega no Império Romano. Ela manteve a Palavra de Deus acessível as novas gerações
fora de Israel, que nao estavam familiarizadas com a antiga língua hebraica. Como resultado disso, ela foi usada pelos autores inspirados do Novo Testamento; a maior
parte das citações do Antigo Testamento foram tomadas da Septuaginta, não das Escrituras em hebraico. Ela também se tornou
a Bíblia da igreja primitiva porque a maioria daqueles que abraçaram o Cristianismo falava grego. A LXX foi o perfeito complemento para o Novo Testamento em grego, proporcionando aos cristãos primitivos uma Bíblia escrita inteiramente em grego.

(Escrito por Willian L. Krewson)

Publicado em Sem categoria | Deixar um comentário

Profecias sobre a vinda de Jesus!

Como pode alguém não acreditar que Jesus é o filho de Deus depois de saber q ele foi diversas vezes profetizado milhares de anos antes dele nascer?!

Resolvi escrever com detalhes cada profecia e colocar meu ponto de vista sobre elas!

Cristo é Deus feito homem. Nenhuma mente humana pode compreender isto, só aceitar o que Deus diz em Sua Palavra. Ele foi anunciado, Sua Pessoa, Suas características, Sua obra, desde o Gênesis. Vamos ver cada uma:

1 Nascido de mulher:

  • PROFECIA: E porei inimizade entre ti e a mulher e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar. (Gênesis 3:15 ARC)
  • Deus promete que um dia Jesus (descendente da mulher) vencerá o descendente da serpente (satanás).
    É a promessa da salvação.
    Proto-Evangelho.

    Este livro ( Gênesis) foi escrito por Moises, a 1445 anos a.C e relata a criação. Trazendo para os tempos de hoje, sem fazer comparações claro, seria como

  • CUMPRIMENTO:E, projetando ele isso, eis que, em sonho, lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo. E ela dará à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados. (Mateus 1:20, 21 ARC)

    mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, (Gálatas 4:4 ARC)

  • Publicado em Ensinamentos para o dia a dia, Sobre a escritura sagrada | Deixar um comentário

    O major não sabia; mas o profeta Isaías sabia

    Um major inglês conversava com um Cristão e exigia deste uma prova clara e convincente de que a Bíblia é realmente a Palavra de Deus, e que não tinha sido escrita por vontade de homens. O sacerdote sabia que aquele major servia no Oriente Médio, viajara muito, e perguntou se ele ja tinha visitado a Babilônia. O major respondeu que sim e começou a falar entusiasticamente sobre o que havia experimentado naquele lugar.

    “As ruínas da Babilônia estão cheias de animais selvagens que podem ser caçados. Eu pedi permissão ao líder daquele distrito para ir com um grupo de caçadores que conheciam a área. Vários árabes me acompanharam a parte antiga da cidade. No entanto, ao anoitecer , os árabes recolheram suas tendas e deixaram as ruínas. Eu simplesmente tive de cancelar minha cacada. Na manha seguinte eu reclamei com o líder da região, mas sua resposta foi: “Passar a noite ali é muito perigoso por causa dos animais. Ninguém fica lá depois que escurece”.

    Então o sacerdote abriu a Bíblia e leu Isaías 13:19-22 : E Babilônia, o ornamento dos reinos, a gloria e a soberba dos caldeus… nunca mais será habitada… nem o árabe armara ali a sua tenda, nem tão pouco os pastores ali farão deitar os seus rebanhos. Mas as feras do deserto repousarão ali, e as suas casas se encherão de horríveis animais; e ali habitarão os avestruzes, e os sátiros pularão ali. E os animais selvagens das ilhas uivarão em suas casas vazias, como também os chacais nos seus palácios de prazer”.

    O major ficou perplexo ao descobrir a exatidão da profecia dita por Isaías 2700 anos antes. Ele acabou a conversa muito, muito pensativo.

    Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitira da lei, sem que tudo seja cumprido (Mateus 5:18)

    Publicado em Promessas | Com a tag | Deixar um comentário

    Proselitismo

    Para um Cristão sionista comum, proselitismo significa compartilhar a fé. Nenhuma sutileza enganosa é vista na ordem de pregar o Evangelho a toda criatura e de amar Israel incondicionalmente.

    Para uma pessoa judia comum, porem, proselitismo lhe traz a mente conversões forçadas, anti-semitismo e ódio. Os judeus presumem o seguinte: “Se não podem nos aniquilar fisicamente, como no holocausto, vocês nos aniquilarão por meio da conversão”.

    Quando uma pessoa judia pergunta a um evangélico se ele é proselitista, o evangélico pensa: “Eu não tento forcar ninguém a crer no que eu creio. Eu apenas compartilho minha fé em Cristo e deixo que o Senhor realize a obra dali em diante”.

    Como os cristãos sionistas se reportam a uma Autoridade Superior, eles continuarão a amar o povo judeu incondicionalmente. A visão de mundo bíblica que eles têm é a de um otimismo pessimista: pessimismo sobre o futuro de uma pessoa longe de Deus, e otimismo sobre o dia em que Deus finalmente introduzira um tempo maravilhoso de refrigério sobre a terra, com Israel ocupando o papel central.

    Os cristãos sionistas sabem que, a despeito dos grandes e terríveis dias por vir, Israel tem um futuro glorioso na terra. E, como eles se reportam a uma Autoridade Superior, os cristãos sionistas permanecerão ao lado de Israel, sabendo muito bem que poderão ser os únicos cristãos que estarão de pé. Eles sabem que qualquer “ajuda” que possam fornecer nao contribuirá em nada para mudar os planos de Deus. Ele virá quando estiver pronto. Afinal, Ele é a Autoridade Superior. (Steve Herzig – Israel My Glory)

    Publicado em Promessas | Com a tag | Deixar um comentário

    Fim da escravidão

    Tanto no AT como no NT, liberdade significa libertação da escravidão, seja no sentido sociopolitico (Gn 39.20-23), no sentido espiritual (Gl 4.21-5.15) ou com respeito à nossa mortalidade (Hb 2.15)

    Nesse contexto, nossa liberdade – política ou espiritual – depende da iniciativa de Deus. Quando Adão e Eva pecaram, Deus foi até eles com a promessa de libertação da maldição do pecado.

    Essa promessa se cumpriu quando Deus envio Jesus para ser o caminho rumo à liberdade eterna. Nós não precisamos ser escravos do pecado, pois a Verdade, isto é, Cristo, pode nos libertar, se aceitarmos o preço da liberdade (Jo 8.31-32).

    Paradoxalmente, somos libertos da escravidão do pecado com um propósito: nos tornarmos “servos” de Deus. Nós estamos livres do nosso julgamento e de outros e, ao mesmo tempo, livres para servir a Cristo e aos outros. Liberdade final, isto é, ser resgatado da escravidão do pecado, pois o resgate foi pago, é vital para se entender a redenção através do sangue de Cristo (Rm 6.15-23).

    Publicado em O pecado, Promessas, Salvação | Com a tag | Deixar um comentário