Fim da escravidão

Tanto no AT como no NT, liberdade significa libertação da escravidão, seja no sentido sociopolitico (Gn 39.20-23), no sentido espiritual (Gl 4.21-5.15) ou com respeito à nossa mortalidade (Hb 2.15)

Nesse contexto, nossa liberdade – política ou espiritual – depende da iniciativa de Deus. Quando Adão e Eva pecaram, Deus foi até eles com a promessa de libertação da maldição do pecado.

Essa promessa se cumpriu quando Deus envio Jesus para ser o caminho rumo à liberdade eterna. Nós não precisamos ser escravos do pecado, pois a Verdade, isto é, Cristo, pode nos libertar, se aceitarmos o preço da liberdade (Jo 8.31-32).

Paradoxalmente, somos libertos da escravidão do pecado com um propósito: nos tornarmos “servos” de Deus. Nós estamos livres do nosso julgamento e de outros e, ao mesmo tempo, livres para servir a Cristo e aos outros. Liberdade final, isto é, ser resgatado da escravidão do pecado, pois o resgate foi pago, é vital para se entender a redenção através do sangue de Cristo (Rm 6.15-23).

Esta entrada foi publicada em O pecado, Promessas, Salvação e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>